Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vamos conhecer a Lagoa das Furnas. Não estávamos preparados! O percurso em torno das margens da Lagoa é lindíssimo. Aconselho que o façam a pé. É um percurso fácil de cerca de sete quilómetros. Demora cerca de três horas mas nós demoramos a manhã toda mais o início da tarde. Afinal tínhamos tempo... e aproveitamos o passeio. Em cada canto um cenário lindo, mais bonito que o anterior e tínhamos de parar para ver, para sentir, para ouvir, cheirar... os cinco sentidos a funcionar a mil à hora. O tempo estava de feição: enevoado e alguns pingos de chuva que nos refrescavam o cansaço. Perfeito.

percurso Lagoa das Furnas

Iniciamos no ponto 2 e seguimos pela esquerda. Qual o meu espanto quando avistamos logo a Ermida Nossa Senhora das Vitórias. Era objectivo visità-la no entanto não esperava encontrá-la ao virar da esquina. Mas é tudo assim em São Miguel: muito perto e muito bem sinalizado! Trata-se de um monumento particular mas enquadrada no verde da Lagoa passa a ser nossa também. De estilo neo-gótico começou a ser construída em 1877 para sepultar o amor. Mais à frente encontramos a Mata-Jardim José do Canto. A entrada custa três euros. Deixamos a visita para mais tarde e seguimos rumo ao Centro de Monitorização e Investigação das Furnas. Um pouco mais à frente e na hora certa chegamos às caldeiras. Se a humidade no ar e a vegetação já nos tinham dado indícios, aqui tivemos a certeza de que o vulcão está vivo. A última erupção foi em 1630 mas "tudo ferve". São jactos de vapor, nascentes borbulhantes de águas e lamas terapêuticas. Os terrenos vulcânicos da margem norte da Lagoa das Furnas são tão quentes que aí é cozinhado o famoso cozido das furnas. E como indicado, passavam trinta minutos do meio-dia e lá estavam os restaurantes da zona a retirar a panela enterrada na noite anterior. Já marchava, um cozidito... fica para outro dia porque temos de fazer reserva. Podem reservar aqui. Um cozido das Furnas para dois fica por vinte euros. Não esqueçam de provar o pudim de ananás!

Não seguimos para o ponto 4. A vila ficaria para depois, estavamos deliciados com a Lagoa e o caminho era bem mais curto e sem declives pelo ponto 5.

 

IMG_5145 - Cópia.jpg

 

IMG_5146.jpg

 

IMG_5160.jpg

 

IMG_5161.jpg

 

IMG_5179.jpg

 

IMG_5191.jpg

 

IMG_5192.jpg

 

IMG_5200.jpg

 

IMG_5206.jpg

 

IMG_5209.jpg

 

 

 

IMG_5220.jpg

 

IMG_5225.jpg

 

1.JPG

 

2.JPG

 

4.JPG

 

5.JPG

 

Deliciados com a lagoa decidimos vê-la de uma outra perspectiva. O miradouro do Pico do Ferro, mesmo por cima das caldeiras, permite contemplar as Furnas em toda a sua plenitude: o vale, a cratera, o caminho em torno da lagoa e a vila. E é para lá que vamos agora. Quantas mais histórias de fadas e monstros vamos conhecer? Estamos empolgados...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D