Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Até um dia...

31.08.15

A S. viu o avô chorar e desde aí não parou de perguntar se já tínhamos notícias. Desta vez cabia-me a mim falar-lhe daqueles que já não vamos abraçar mais... é muito difícil... se eu não entendo porque a vida nos rouba de repente a felicidade como vou explicar à minha filha? Como falar-lhe da perda, da falta, do vazio, da morte? Não sei, não estou preparada, nunca estamos, nunca havemos de estar. Mesmo assim digo-lhe o menos possível na tentativa que o tema se desvaneça na próxima brincadeira mas não, as perguntas continuam... só morremos se formos velhinhos? a tia era velhinha? a tia vai conhecer a avó velhinha? mas elas moram longe!? no céu vão viver na mesma casa? 

Enchi-me de coragem e abri-lhe o meu coração. Sossegou. Mas afinal não fui eu, de volta a casa descobri que a nova prima que conquistou por completo o coração da S. e com apenas uma dezena de anos apaziguou da forma mais simples e doce as suas dúvidas e medos.

E aprendemos mais uma vez a lição que a vida teima em fazer-nos esquecer. Temos tão pouco tempo. Ocupamos o tempo com tudo o que não interessa. Existem sorrisos que podiam fazer parte da nossa vida. A saudade vai sempre estar lá. Temos de continuar o caminho com alegria. Um dia voltaremos a abraçar-nos...

 

separador-principal.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/10



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D